Skip to content

App que mapeia imóveis subutilizados vence 4ª edição do Hack in Sampa

O aplicativo Osíris, que propõe um mapeamento unificado e simples para imóveis ociosos no ambiente urbano foi o grande vencedor do Hack in Sampa 2020. O grupo formado por Christian Portugal, Kátia Miranda, Cárita Liberato, Marina Lima e Maíra Manfro desenvolveu o app unindo inteligência artificial à participação da sociedade e conquistou o prêmio de R$ 10 mil, além de cinco bolsas de estudo em cursos Your Way da Faculdade Impacta. “Hoje existem várias plataformas que acabam dificultando o acesso, então, nosso foco é empoderar o cidadão para que ele consiga enxergar esses dados”, disse Portugal sobre o app. Concluído no domingo (20), o Hack in Sampa teve a participação de 65 competidores de 15 estados diferentes, além de um participante de La Paz, na Bolívia. O desafio era criar ferramentas para auxiliar na implantação e controle da função social da propriedade na capital paulista, contribuindo para construir uma cidade mais justa.

Além da diversidade de Estados, ampliada pelo fato de o evento ter sido realizado on-line, a quarta edição do Hack in Sampa marcou um recorde de participação feminina, com 45% de participantes mulheres, além de mentoras e juradas. A banca de jurados foi composta por Alexandre Andrade e Meli Malatesta, professores universitários; André Gutierrez, que atuou na Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras; Bianca Colepicolo, Secretária Municipal de Turismo de Ilhabela; além do vereador Pólice Neto, idealizador do evento. “Foi uma longa e intensa trajetória que nos trouxe até aqui”, afirmou Pólice Neto. “Na verdade, são muito mais do que 4 edições, porque o embrião é de 2012, quando conduzimos a primeira maratona tecnológica do setor público brasileiro para abrir os dados da Câmara Municipal. Realizamos maratonas também fora de São Paulo e provamos que os cidadãos, neste caso em especial, os jovens, têm muito a contribuir com o setor público.”

Em segundo lugar ficou o projeto Do Começo Ao Fim, que também propôs uma plataforma unificada de localização dos imóveis inutilizados alimentada por dados da Prefeitura de São Paulo e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, procurando, inclusive, dar maior transparência para o status de um imóvel já notificado, facilitando o acesso e acompanhamento. Já o aplicativo InMap, que conquistou o terceiro lugar, aposta na colaboração dos usuários para o mapeamento dos imóveis e foi desenvolvido pelos participantes Flávia Firmino, Vanessa Sousa e Glauber Marcelino.

Os grupos que ficaram em segundo e terceiro lugar também receberão cinco cursos Your Way da Faculdade Impacta, além de R$ 1 mil como prêmio para o vice-campeão. “Cada grupo tem um foco de análise, mas sempre com um objetivo, fazendo com que essa lei, essa possibilidade de implementação de política pública tenha a participação de quem está na ponta, que é o usuário”, afirmou o jurado André Gutierrez.

A quarta edição do Hack in Sampa também contou com diversos apoiadores e patrocinadores, como o iFood, que, além de contribuir com um voucher de R$ 40 para todos os integrantes durante o evento, sorteou R$ 500 para ser usado no aplicativo. Também contribuíram a Travel Tech (que ofereceu 3 diárias no hotel Amerian Portal del Iguazú; a TECH 6, com voucher de R$ 800 em cursos; a Mestre Diversidade Inclusiva e a For Mind, com o sorteio de bolsas e mentoria; além da Faculdade Impacta, com cursos para os primeiros colocados.

“Todos notaram que, para produzir uma cidade melhor, precisamos ter mais engajamento. Então, é necessário colocar as pessoas entendendo mais as dinâmicas que fortalecem a cidade, além de chamar a população seja de maneira lúdica, divertida ou mesmo despretensiosa, mas que as pessoas tenham o desejo de auxiliar a cidade”, disse Pólice Neto.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Fique de olho: IPTU congelado

Com 63 emendas aprovadas no Orçamento 2021, mandato bate recorde na Câmara

Uma outra política é possível