Skip to content

E os barões do transportes continuam numa boa…

A mobilidade urbana, especialmente quanto ao transporte coletivo, é um dos problemas centrais da cidade. Durante a campanha eleitoral até se chegou a arranhar o tema, mas sempre com propostas genéricas e vagas de “combater a máfia do transporte” sem dizer muito bem como. Em 2020, já gastamos mais de R$ 2,87 bilhões (veja a tabela abaixo) com o subsídio a um sistema péssimo, e até o final do ano a conta passará de R$ 3 bi – quase R$ 8 bi se também levarmos em conta as tarifas pagas diretamente pelos usuários na catraca, além do subsídio, quase 5% do orçamento. E os barões afirmam que querem ainda mais.

Já comentei o absurdo do subsídio que aumentou no pico da pandemia porque o número de passageiros diminuiu, sem que os custos tivessem caído, só que a despesa aumentou ainda mais quando o número de passageiros voltou à subir, próximo da realidade anterior à pandemia. Esse mistério ainda precisa ser esclarecido pelos barões do transporte e seus comparsas. Assim, em janeiro e fevereiro, sem pandemia e com movimento baixo, pagou-se R$ 184 e 189 milhões em subsídio; em maio, no pico da pandemia, foram gastos R$ 287 milhões e, em setembro, já em ritmo de retorno à normalidade, os barões do transporte ganharam R$ 322 milhões do contribuinte. Qual é a lógica? Não se sabe.

Antes mesmo de discutir se os valores do subsídio e da tarifa são altos ou baixos é preciso constatar o óbvio: a qualidade do serviço que nos custa tão caro é ruim. E é muito baixa inclusive em função dos próprios termos do contrato acordado entre os barões do transporte e as duas últimas gestões da prefeitura – igualmente responsáveis por ele. Qualquer um que pegue ônibus sabe que os veículos são sujos, andam sobrelotados, atrasam, jamais param junto à guia como deveriam, são desconfortáveis, são altamente poluentes, têm equipamentos de ar-condicionado que muitas vezes estão desligados ou não funcionam, não oferecem nenhuma previsibilidade a quem depende deles para ser pontual entre outras muitas queixas que poderíamos listar aqui.

E não adianta falar de custos extras ou equilíbrio econômico-financeiro, pois, como diz o ditado, “o combinado não é caro”, e estes pontos todos levantados acima – exceto talvez a poluição, que foi liberada por mais dez anos por decisão da Câmara (não com meu voto, claro) – não deveriam acontecer se o contrato fosse cumprido de fato.

A verdade é que o elemento principal que faz o subsídio explodir é a queda de demanda. Fator este que só vai aumentar com a manutenção de muitos postos de trabalho em home office, a expansão da rede metroferroviária e o cumprimento da diretriz do Plano Diretor de reduzir deslocamentos aproximando o local de moradia, trabalho e estudo. As tentativas dos barões de limitar o transporte por aplicativos só mostra o grau da ineficiência das empresas de ônibus, a ponto de sequer conseguirem concorrer com o transporte individual em custo e demanda. Situação que só não é pior por conta do intenso lobby que elas têm efetuado para impedir a operação do ônibus sob demanda em diversas cidades, inclusive em São Paulo.

Socializar o prejuízo

Os barões do transporte tentam empurrar o problema de ineficiência e falta de competitividade deles para o poder público, socializando os prejuízos. No contrato desastrado montado pelas gestões Haddad/Covas se conseguiu parte desta socialização dos prejuízos, que explodiu na cara das finanças municipais deste ano, sem que exista nenhum controle efetivo da qualidade que deveria ser a contrapartida nem esforço dos empresários em investir em um serviço que lhes devolva a competitividade.

Seria como se alguém montasse uma lanchonete para fornecer refeições à Prefeitura e dissesse: “Vocês estão obrigados a comprar mil lanches por dia, mesmo se ninguém comer os lanches porque são mal feitos, gordurosos, com carne de duvidosa e caros.” E, para garantir a compra, a Prefeitura, ao invés de cobrar qualidade, mandasse fechar todas as outras lanchonetes da vizinhança para obrigar todo mundo a comprar daquela “patrocinada”.

Desde 2006, quando o atual sistema de subsídio, negociado pela ex-prefeita Marta Suplicy e as empresas passou a vigorar, o município já gastou, em valores atualizados, R$ 30 bilhões (ver tabela), com um aumento significativo da despesa em especial nas duas últimas gestões. Muito deste valor, equivalente ao montante disponível para investimento de quase 5 orçamentos anuais, poderia ter sido investido em melhorias estruturais do sistema – corredores, linhas metroviárias, programas de habitação próximos de locais com oferta de emprego, desenvolvimento regional que gerasse empregos onde há alta densidade demográfica –, mas só serviram para socializar prejuízos e garantir os lucros privados, perpetuando um sistema que não precisa melhorar para continuar lucrando.

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Fique de olho: IPTU congelado

Com 63 emendas aprovadas no Orçamento 2021, mandato bate recorde na Câmara

Uma outra política é possível