Skip to content

Mobilização de motoristas de aplicativo pressiona empresas por mais segurança

Centenas de motoristas de transporte por veículos particulares conseguiram, ontem, em audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de São Paulo, que representantes das empresas prestadoras do serviço assinassem uma carta firmando compromisso para garantir a eles maior segurança.

O encontro aconteceu por conta dos muitos relatos de motoristas denunciando serem vítimas de crimes recorrentes como assaltos e sequestros relâmpagos. Mais recentemente, a pressão pela audiência ficou ainda maior depois que três trabalhadores foram assassinados neste mês em São Paulo enquanto trabalhavam.

Dentre as 13 reivindicações propostas pela categoria estão o reconhecimento facial dos usuários, a instalação de câmeras nos carros, saber o destino final dos passageiros e a instalação de um botão de emergência nos veículos. Agora, Uber, Cabify, 99 e outras operadoras têm 30 dias para, em nova audiência pública, responder aos trabalhadores o que será feito.

Para o vereador Police, que articulou a reunião em parceria com a deputada estadual Isa Penna, embora alguns dos pedidos não sejam possíveis de serem viabilizados em um mês, como a instalação de câmeras, as empresas podem tomar outras providências. “Pode não dar para implementar um sistema de vigilância, mas há condição para outras medidas, como mostrar o destino final do passageiro ou permitir que o parceiro veja uma foto de quem está chamando a corrida”, diz.

O parlamentar também disse que parte da responsabilidade para garantir maior segurança aos motoristas cabe ao poder público. “Nas reivindicações há a implementação de uma delegacia especializada em crimes contra trabalhadores de app e a remoção dos adesivos dos carros. Eu e minha colega deputada Isa trabalharemos no sentido de viabilizarmos esses pedidos, tanto na Câmara quanto na Alesp”, afirmou.

A gerente de políticas públicas da Uber, Flávia Annenberg, disse que a empresa tem trabalhado para melhorar a segurança dos motoristas. “Estamos investindo R$ 250 milhões nos próximos quatro anos em um centro de desenvolvimento tecnológico em São Paulo e já apresentamos algumas ferramentas como o YouCheck, que valida a identificação dos usuários”, ponderou.

Na audiência estiveram presentes ainda representantes da 99, LadyDriver, City, além de várias associações de motoristas.

Acordo começa a sair do papel

O vereador Police Neto se reuniu, na manhã desta quinta-feira (26/9), com o Conselho Municipal de Transporte e Trânsito para viabilizar a retirada dos adesivos que identificam os carros de transporte individual por aplicativos.

Exigência da categoria, a dispensa dos adesivos é encarada pelos trabalhadores como uma medida essencial para a diminuição do risco de assaltos e outros crimes durante o expediente. “Nos últimos 10 dias foram 3 assassinatos, mais de 200 assaltos e 8 espancamentos. Está claro que a identificação dos carros está gerando uma escalada de violência em algumas zonas, principalmente nas bordas da cidade”, afirma.

A reunião com o CMTT é a primeira medida adotada por Police para colocar em prática aquilo que cabe ao legislativo e que foi acordado durante audiência pública realizada na última terça (24/3), na Assembleia Legislativa de São Paulo, que reuniu centenas de motoristas, associações e representantes das operadoras Uber, 99, Lady Driver, Garupa e City. “Quando vidas estão em jogo não podemos perder tempo. Por isso já estamos trabalhando para tirar do papel as reivindicações que estão ao nosso alcance”, diz.

“Não faz sentido deixarmos mais de 150 mil motoristas no risco porque queremos ter um adesivo nos carros. A questão da vida é mais importante que a pressão política ou que a pressão por fiscalização, que não se mostra eficiente”, completa. O próximo passo, de acordo com o vereador, é levar a pauta dos adesivos ao Secretário de Mobilidade e Transportes, Edson Caram.

Veja os 13 itens apresentados pelos trabalhadores:

1 – Permissão de Comunicado de Roubo pelo motorista na internet para complementação posterior na delegacia responsável
2 – Reconhecimento Facial do passageiro
3 – Foto de Cadastro nítida
4 – Botão de Emergência
5 – Câmera a bordo
6 – Remoção dos adesivos
7 – Acompanhamento maior dos casos já ocorridos
8 – Delegacia Especializada em crimes contra trabalhadores de app
9 – Destino exato do Passageiro
10 – Anulação da cláusula do contrato que permite plataformas punir motoristas por cancelamentos
11 – Pontos de embarque nas comunidades
12 – Conscientização dos aplicativos para os passageiros terem o hábito de embarque imediato (principalmente à noite)
13- Que empresas permitam aos motoristas escolherem a forma de pagamento

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Vereadores rejeitam proposta de Pólice que põe fim aos supersalários

Feiras de Economia Criativa se unem, apresentam protocolo com apoio de Police Neto e serão liberadas na Fase Verde

Pensar e sonhar: propostas para o próximo mandato