Mais de 100 artistas reuniram-se, neste domingo (1/12), para transformar cerca de mil metros de muro da CPTM, ponto viciado de lixo na Barra Funda, numa galeria de arte urbana. Parte do projeto Cultura do Lixo, o festival foi uma homenagem ao artista Anderson Augusto, da dupla 6emeia. São, como era conhecido, morreu há 3 meses, vítima de câncer.

O objetivo do projeto, em sua 3a. intervenção, foi revitalizar e readequar espaços urbanos depredados ou abandonados, como becos, vielas e passarelas. Sujos e mal iluminados, muitas vezes esses locais são usados como pontos de comércio de drogas ou de descarte irregular de lixo. O projeto articula artistas de diversas regiões de São Paulo e várias linguagens e modalidades de Street Art em torno da construção de novos painéis e galerias espalhados pelas ruas da capital paulista.

Neste domingo, o foco foi o entorno da CPTM, na Rua Capistrano de Abreu, um dos pontos viciados de lixo mais conhecidos da Barra Funda. A intervenção, ao longo de todo o dia, foi filmada e fotografada para exibição aos moradores da região, mostrando que a arte pode combater o lixo. Das 9 às 20 horas, os artistas se revezaram no muro. DJs conhecidos do cenário paulistano garantiram o som ambiente. A programação incluiu ainda atividades para crianças e uma seleção de expositores do Mercado de Pulgas Loki Bicho e a Ofício Feira, entre outras atrações.

Homenagem
Nascido em Ourinhos, no interior do estado, São se mudou na adolescência para São Paulo e se instalou na Barra Funda, na Zona Oeste. Ali conheceu Leonardo Dellafuente, com quem criou o coletivo 6emeia. A dupla se destacou criando a tradição de fazer pinturas em bueiros, ressignificando um espaço considerado pouco nobre com uma abordagem única.

Pintura em bueiro da dupla 6emeia, da qual São fazia parte. Locais inusitados e criatividade fizeram a fama da dupla



São participou da edição anterior do projeto Cultura do Lixo, que tem apoio do vereador Police desde as edições anteriores. “Garantir segurança no espaço público começa com ocupação, com as pessoas usufruindo o que aquele local oferece. Uma galeria de arte a céu aberto, portanto, além de valorizar o próprio espaço e a arte urbana, promove a ocupação, a convivência e mesmo a segurança”, diz Police.

O projeto é uma realização da Quimera Ateliê, Ferro Velho Cultural, CIA Corpo Rasteado, Leo Della e Tom. Tem patrocínio do vereador Police, da Secretaria Municipal de Cultura, Deep Bar, Dali Daqui Bar e Laskarina Bouboulina. Apoiam a iniciativa também a Subprefeitura da Sé, CET e da EE Dr. Alarico Silveira.

Police acompanha a edição anterior do projeto Cultura do Lixo, no bairro de Campos Elíseos
Postagens Recentes

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar