Os governos federal e estadual enfim fecharam um acordo e São Paulo terá um ou mais entrepostos de abastecimento mantidos pela iniciativa privada para substituir a Ceagesp. O governador João Doria assinou também na sexta-feira (25/10), decreto que aprova a criação de novos acessos em quatro rodovias estaduais para atender a esse futuro entreposto. O Rodoanel Mario Covas e a Rodovia dos Bandeirantes estão na lista. A garantia de acesso às rodovias vinha sendo, até agora, um dos maiores obstáculos na criação de um entreposto alternativo ao atual, instalado na Vila Leopoldina.

A região de Perus sai na dianteira da corrida para sediar um grande entreposto, pois lá já existe um terreno de 4 milhões de m² adquirido por um grupo de empresários para a implantação do NESP (Novo Entreposto de São Paulo), que está em fase de licenciamento nos órgãos públicos.
Confirmada a implantação, serão milhares de empregos e bilhões de reais em investimentos privados na infraestrutura da região. Entre empregos diretos e indiretos, a estimativa é que o NESP leve à criação de 30 mil postos de trabalho.

O vereador Police trabalhou na criação das primeiras condições para que Perus e a ZN fossem contemplados nesse processo e se tornassem um novo polo de desenvolvimento. Ainda em 2008, o parlamentar apoiou a construção do Plano de Bairro de Perus, liderado pelo Prof. Candido Malta.. Mais tarde, na aprovação do Plano Diretor Estratégico, em 2014, lutou pela criação do Polo de Desenvolvimento Econômico Noroeste/Rodovia Anhanguera/Bandeirantes e Av. Raimundo Pereira de Magalhães. “Não vou poupar esforços para que o novo entreposto saia do papel antes do prazo máximo definido pelo governador para que a Ceagesp seja desativada”, disse Police. Em até 5 anos, Doria quer instalar no terreno original da Vila Leopoldina um centro de tecnologia e inovação. Em torno dele, a Vila Leopoldina deve passar por uma grande reestruturação planejada, incluindo ainda os desdobramentos do PIU Leopoldina. “Ganha a cidade, ganha a Vila Leopoldina, e vamos brigar muito para que Perus confirme sua vitória com a implantação do NESP ou mesmo de outro entreposto no bairro ou ainda na Zona Norte.

Anhembi – Diante da falta de compradores interessados e do atraso na privatização do Anhembi, a Prefeitura elabora um novo modelo para desestatizar o complexo de 376 mil metros quadrados. De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo publicada na quarta-feira (30/10), a proposta em estudo deve desmembrar o Sambódromo da venda, de modo que possa ser concedido para a iniciativa privada apenas temporariamente. Também a SPTuris deve ficar de fora da privatização. A aposta da Prefeitura é que o desmembramento permita que investidores de áreas de atuação diferentes possam participar dos leilões.
Por iniciativa do vereador Police, 20% do valor de venda do Anhembi deve ser investido na Zona Norte, onde está localizado o complexo, além de 100% dos recursos obtidos por meio de outorga onerosa (permissão para construir além do potencial construtivo básico da área).

Acompanhe entrevista do vereador Police sobre a privatização da Ceagesp no podcast do Observatório da Vila Leopoldina.

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar