Skip to content

Rally inovador arrecada doações para Cruz Vermelha-SP

A crise sem precedentes que atingiu São Paulo, epicentro da pandemia de covid-19 no país, aprofundou e escancarou as desigualdades na capital, tornando ainda mais vulneráveis as famílias carentes e a população em situação de rua. Os desafios de segurança em saúde, saneamento e moradia se somaram ao agravamento do desemprego e da perda de renda. Nem o bico que podia garantir a comida do dia escapou. Milhões de famílias se viram diante do dilema entre manter o isolamento e buscar o sustento.

“Diante desse cenário, muita gente se mobilizou para ajudar e, unindo esforços, São Paulo conseguiu montar uma rede de solidariedade ampla e essencial para salvar vidas”, explica o vereador Police Neto, um dos primeiros articuladores desse trabalho, que teve início com a aproximação entre Cruz Vermelha-SP e Prefeitura em março. “O que começou como um plano de ação voltado para a população em situação de rua, cresceu e acabou consolidando a Cruz Vermelha como entidade à frente do programa Cidade Solidária, hoje o principal mecanismo vinculado à Prefeitura de aproximação entre quem quer ajudar e quem mais precisa. O Rota Paulista Self-Rally, cuja ‘taxa de inscrição’ é a doação de uma cesta básica à Cruz Vermelha, é a prova mais recente – e uma das mais inovadoras – desse trabalho coletivo.”

Na prática, foi “construindo as pontes” que o vereador Police Neto contribuiu para a realização do Rota Paulista Self-Rally. Apresentou representantes da Cruz Vermelha aos organizadores do evento, que também desejavam fazer sua parte para enfrentar a crise. “Com toda segurança e distanciamento social necessários, o Rota Paulista inova na maneira de arrecadar as cestas básicas e manter ativos os apaixonados pelo volante”, afirma Police. “De ponte em ponte, cada cidadão faz o que está a seu alcance. Se hoje, com muito custo, começamos de fato a reduzir o número de mortes pelo novo coronavírus é porque muita gente se dedicou a ajudar, unindo esforços aos profissionais de saúde, agentes públicos e entidades engajadas no trabalho humanitário. Somos todos responsáveis e é essa força de vontade a grande ponte que pode nos levar a uma cidade melhor, mais justa, segura e acolhedora.”

Como funciona?
O passeio é um movimento de colecionadores, restauradores, apaixonados por carros antigos e veículos de coleção para arrecadar alimentos e contribuir para o importante trabalho humanitário da Cruz Vermelha-SP. Serão cerca de 150 km de percurso (100% em estradas pavimentadas), utilizando o modo Self-Rally (com total segurança e sem necessidade de aglomerações). O evento está marcado para começar em 22/08 e terminar em 7 de setembro. No modelo Self-Rally, o sistema de cronometragem e apuração é feito via internet. Os participantes instalam o App Totem Full Rally para navegar e a cronometragem é baseada no track log gerado pelo GPS do sistema. Cada participante poderá escolher o dia/horário para percorrer o roteiro, evitando contato com outros competidores. E como o sistema conta com rastreamento on-line, os amigos e familiares do participante podem acompanhar na internet sua evolução na trilha.
Para saber mais e participar, acesse: rotapaulista.com.br

Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Do Caminhar Pinheiros ao Ocupa Rua – a “guerra do meio fio” em São Paulo

Vereador assina compromisso com Programa Cidades Sustentáveis

O Vale-Transporte e as mancadas da SPTrans